sexta-feira, 12 de setembro de 2014

O Nascimento

Imagine tudo o que você conhece mudando de repente, sem explicações e sem aviso prévio. Imaginou? Para um bebê, isso se chama nascimento!

Em questão de minutos, o nenê sai de seu aconchego quentinho, quieto e tranquilo para um mundo barulhento, frio e cheio de luz. Tenha em mente que não se trata apenas de uma mudança muito abrupta; lembre que o bebê nem mesmo sabia o que era barulho, frio e luz. São conceitos totalmente novos para ele. Antes do parto, simplesmente não existiam!
Além disso, dentro da barriga, o bebê não precisava se preocupar com respirar, comer, digerir. A placenta fazia tudo isso para ele. Consegue imaginar uma situação em que você tem todas as suas necessidades satisfeitas sem nem mesmo saber que elas existiam? Isso é bebê + placenta: um binômio perfeito funcionando em total harmonia. Com o nascimento e o clampeamento do cordão umbilical, este binômio acaba. As necessidades aparecem!
A primeira de todas é respirar. Tudo com você, bebê, a placenta não está mais aí para oxigenar seu sangue! Você tem minutos para aprender a fazer isso direito, e FAZ. Os pulmões abrem, enchem de ar, você está respirando! E, do ponto de vista do organismo inteiro, respirar é como derrubar o primeiro dominó de uma grande fileira de adaptações. A maior e mais importante adaptação que se segue ao início da respiração é a do coração à vida extrauterina. Explicar as mudanças que acontecem neste órgão e, consequentemente, no organismo inteiro, envolveria anatomia, gradientes de pressão, grande e pequena circulação, câmaras cardíacas e muito mais; então, pulemos esta parte.Basta dizer que o bebê acabou de aprender como se vive sem o apoio da mamãe e da placenta... E ele vai ter muitas descobertas mais nas próximas horas! Seu organismo vai precisar aprender como manter a temperatura correta sem mamãe para servir de controlador térmico. Vai descobrir o que é sentir fome, e que se resolve isso mamando.Vai precisar se adaptar a sons muito diferentes dos que ouvia até então, vai descobrir que a luz vai embora se fechar os olhos... Vai descobrir que há espaço para movimentar braços e pernas que andavam muito espremidos ultimamente e, apesar de isto ser muito legal, pode se tornar assustador também!
E, com tanta coisa mudando, é claro que o bebê vai ser atentamente observado durante suas primeiras horas de vida. É necessário conferir se todas essas adaptações estão acontecendo da maneira correta. Afinal, é muita mudança para pouco tempo!
Do ponto de vista prático, as primeiras horas do bebê são muito cheias. Ele vai nascer,ficar com sua mamãe, ouvir sua voz, e talvez até pegue o seio. Depois, vai ser examinado e pesado pelo pediatra. Aí, normalmente, vem a parte do ser mostrado para o restante da ansiosa família por uma janela ou visor. Todo mundo vai rir e chorar do outro lado do vidro. Então, o bebê vai para um berço aquecido por algum tempo, até ser verificado se está tudo ok com ele. Logo depois, vai conhecer seu primeiro desconforto ao receber uma espetada de agulha em cada coxinha: são a primeira dose da vacina contra Hepatite B e uma dose de vitamina K (que evita sangramentos muito graves). Em seguida, uma atividade da qual bebês parecem gostar bastante, que é o primeiro banho, seguido da primeira roupinha... E daí está na hora de voltar para os braços da mamãe, que a esta altura já está na sala de recuperação, esperando ansiosamente seu pimpolho!
E, para o post não ficar tão enorme quanto o último, vou parando por aqui. O próximo e emocionante capítulo é o primeiro dia da mamãe com seu novo bebê! Até lá! 

Eleonor Hertzog é mãe da Anelise, do Augusto e do Alexandre e é vovó coruja do Arthur. Pediatra, já atuou em uma Unidade Neonatal e em Unidades de Saúde. Atualmente atende em consultório e nas horas vagas é escritora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário