quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Planejando a gravidez: uma nova organização familiar

Quantos casais são tomados pelo susto de uma gravidez não planejada, enquanto que outros desde o início do namoro já sonham em como será a chegada de um bebezinho na família.
No meu caso, o assunto filhos sempre foi algo conversado e planejado. Decidimos juntos em que momento das nossas vidas daríamos esse próximo passo. É sobre isso, o planejamento de um filho que a Marina escreve hoje. A cada 15 dias a coluna Psicologia abordará temas relacionados às questões familiares. Fiquem a vontade para comentar e tirar suas dúvidas.
PLANEJANDO A GRAVIDEZ: UMA NOVA ORGANIZAÇÃO FAMILIAR
Vamos começar pelo começo: o planejamento (ou, muitas vezes, o susto) da gravidez. Estamos vivendo em tempos de modernidade, de comunicação, de imediatismos, de falta de tempo, de multitarefas. Homens e mulheres já ocupam a mesma posição social e foi-se o tempo em que homens saiam para trabalhar e mulheres ficavam cuidando do lar. Hoje, a mulher pode optar pela maternidade ou não, pelo acirrado mercado de trabalho ou por ter mais tempo com os filhos, pela produção independente ou pelo casamento (seja ele com quem for). As configurações familiares mudaram e vivemos em uma nova cultura.
Mas, em meio a tudo isso, como e quando abrir espaço para a parentalidade? Será que estamos preparados para ser pais?
Muitas vezes, homens e mulheres não caminham no mesmo ritmo e têm opiniões divergentes sobre quando aumentar a família. É nesse sentido que o diálogo e o planejamento gestacional tornam-se fundamentais. Quanto mais cedo o casal puder abordar esse assunto, melhor. Mesmo que ainda distante temporalmente, conversar sobre quando ter filhos é muito importante para a vida a dois.
O casal, que antes exercia apenas a função conjugal, terá que se adaptar a uma nova identidade: a parentalidade. E essa nova identidade vem repleta de exigências e mudanças.
A decisão de ter ou não filhos e quando iniciar esse processo, passa por fatores conscientes e inconscientes. A família de origem, a historia pessoal de cada um, as experiências vividas, o momento atual, os medos e incertezas, influenciam essa tomada de decisão.
Por se tratar de uma nova vida humana e de inúmeras responsabilidades, essa não é uma decisão fácil e é comum que o casal passe por períodos de incertezas, inseguranças e até desistências. Mas, quando o desejo aparecer, está na hora de trabalhar os medos e as expectativas, organizar a casa e as finanças e, o mais importante, alinhar a afinidade do casal.
Mas, e quando não dá tempo de planejar tudo isso e se descobre uma gravidez? Calma!!! É claro que tudo que foi dito se trata do ideal, do caminho mais saudável. Mas isso não significa que uma gravidez não planejada será sinônimo de tormenta e problemas. Assim que ela for elaborada, o casal poderá investir seu afeto, incrementar os vínculos e planejar as mudanças que virão. Sendo bem planejada ou não, o fato é que este novo status será recheado de descobertas, mudanças, adaptações e sentimentos.
Marina Barcellos Barbosa – Psicóloga, formada pela PUCRS, especializanda em Terapia de Família, pelo Instituto da Família de Porto Alegre. Atua como psicoterapeuta clínica e colaboradora de pesquisa com famílias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário