quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Poltrona de amamentação: como escolher

Passada toda a empolgação da descoberta da gravidez, as mamães começam a se preocupar com o enxoval e o quartinho do bebê.

No meu caso, o item que eu mais me preocupei depois dos bercinhos foi a poltrona. Mas como escolher algo que sabemos que vamos usar e muito se não temos experiência no assunto? Por isso seguem algumas dicas para não ter erro.
1- Tamanho. De nada adianta sair se apaixonando pelo modelo mais mega master maravilhoso da loja se a boniteza não cabe no lugar que será destinado à ela. Então antes de mais nada, veja com sua arquiteta, ou meça você mesma o tamanho limite disponível, sem esquecer de dar uma folguinha nas laterais.
2- Estilo. Hoje em dia poltrona de amamentação não precisa mais ser aquela coisa branquinha, porém é interessante que ela esteja em harmonia com o restante da decoração do quarto. Portanto, sem poluição visual certo?
3- Preço. Dinheiro não dá em árvore, sendo assim já veja seu orçamento e busque nas lojas ou na internet uma poltrona que fique dentro da faixa que você pode gastar. Assim, ninguém corre o risco de ver e se apaixonar por um modelo que custa 5 vezes mais do que o previsto. Sim, os preços variam muito, acredite! Pechinchar é a solução!
4- Conforto. Nossa, diria até que esse é o item mais importe! De que adianta a poltrona ser linda, super em conta, combinar perfeitamente com o restante da decoração se ela é desconfortável para você? Para não ter erro, a solução é achar um tempinho na agenda, ir nas lojas e literalmente esperar sentada. Ãh??? Por acaso alguém compra sapato sem experimentar? Sem dar uma caminhadinha pela loja? Poltrona é a mesma coisa, ainda mais sabendo que passaremos horas e noites em claro nela. Então mamães, sentem na dita cuja e avaliem como vocês se sentem. Será que a altura do braço é adequada para minha estrutura corporal na hora de amamentar? Será que se eu pegar no sono aqui (e garanto que vai), não vou acordar com um belo de um torcicolo?
5- Funcionalidades. Garanto que você não vai se arrepender se escolher um modelo que balançe, gire e recline. Lembro que isso vai de acordo com as suas necessidades, no meu caso isso era essencial, principalmente o embalo.
Quando fui escolher a poltrona que colocaria no quarto das gêmeas, sabia que não teria muito espaço, afinal os dois berços e a cômoda já ocupavam quase toda área disponível. Como não coloquei uma cama auxiliar, conforto era minha prioridade, e ainda bem que bati o pé nesse quesito. Tirei um dia inteiro só pra isso e descobri que não gostei de nenhuma, eu disse nenhuma poltrona de amamentação, e olha que fui em milhares de lojas especializadas. Eu queria uma poltrona que me abraçasse, que fosse mega confortável, que balançasse, reclinasse (já que eu não teria uma cama a disposição), enfim uma poltrona que só faltasse amamentar o baby sozinha. A solução? As famosas poltronas do papai! A arquiteta quase pirou comigo. "Andressa, não vai caber! Não te esquece que tem a mesinha de apoio. Tu vai perder circulação". Primeira coisa que fiz, cortei a tal mesinha de apoio, e pra ser bem sincera, não me faz falta nenhuma (olha a economia aí $$). Fui em duas lojas que eram as únicas que tinham o modelo como queria, tirei fotos, vi opções de tecido e anotei as medidas, mandei tudo pra arquiteta e pro maridão. Disse "é isso que eu quero e não abro mão!". E está aí a belezura da poltrona! Super aprovada por todos que já tiveram que dar uma embaladinha nas pacotinhas. Ela balança, gira, reclina, enfim, só não amamenta sozinha.
                                 Cacau avaliando a poltrona no dia da entrega

Nenhum comentário:

Postar um comentário